CIRURGIA VASCULAR

O que são as Varizes?
As varizes dos membros inferiores (pernas) são veias doentes, que se tornam progressivamente dilatadas, alongadas e tortuosas dificultando a circulação sanguínea, interrompendo a volta do sangue ao coração. Dependendo da fase em que se encontram, podem ser de pequeno, médio ou de grande calibre.


Causa (Origem) das Microvarizes
Não se sabe exatamente porque algumas pessoas têm estas veias dilatadas e outras não. Entretanto, parece que algumas famílias estão predispostas a desenvolver este problema. Outros fatores que podem predispor o aparecimento das microvarizes são: sobrepeso, traumas, pessoas que permanecem em pé ou sentadas com as pernas cruzadas por períodos prolongados, gravidez e uso de hormônios femininos que contém estrógenos. Existe controvérsia sobre a eficácia do uso de meias elásticas no controle de microvarizes. Já o controle de peso, exercícios físicos regulares e a suspensão dos hormônios podem ter algum benefício no tratamento das microvarizes.


Tratamento de Microvarizes
O Tratamento de Microvarizes, na Maioria das vezes é realizado através da Escleroterapia ou através do LASER: A Escleroterapia consiste na injeção de um produto químico dentro das Microvarizes. A solução injetada provoca uma irritação na veia e esta se contrai e gera uma fibrose (fecha). O sangue não pode mais penetrar por esta veia o que evita a formação de novas telangiectasias no mesmo local. Pode haver necessidade de reaplicação de novas injeções para o desaparecimento de cerca de 80 a 90% das lesões. LASER para Microvarizes :em microvarizes muito finas, as quais são mais finas que o calibre da agulha utlizada na escleroterapia (menos que 2mm), está sempre indicado o LASER. Nas Telangiectasias de rosto também o LASER está indicado.


Escleroterapia
É a secagem do vaso (microvarizes) através da injeção de um agente chamado esclerosante que irrita a parede do vaso, e assim o vaso é eliminado. A escleroterapia serve para qualquer pessoa que tenha vasos nas pernas ? A maioria das pessoas com vasos podem ser beneficiadas. Mas não há garantia que os vasos vão desaparecer completamente. Há vasos mais resistentes que clareiam, mas não desaparecem por completo.


Tratamento com Espuma
O tratamento de Escleroterapia com Espuma é o único que não afasta o paciente de suas atividades de trabalho. Além disso, é um tratamento mais barato e com menor índice de complicações sérias, comparado às outras técnicas.
Abaixo as orientações após o tratamento de Escleroterapia com Espuma:

1. A meia elástica deve ser usada conforme a orientação do médico e de acordo com o seu problema venoso.
2. Não deve realizar repouso. Permanecer imobilizado em repouso é fator de risco para aparecimento de trombose.
3. Não é necessário se afastar das suas atividades profissionais
4. Deve fazer caminhadas leves diariamente.

Deve retornar ver seu médico conforme orientado para realização de controle ecográfico e reaplicação, caso haja necessidade


Riscos e Complicações no Tratamento de Varizes com Espuma
A complicação mais temida quando se fala no tratamento de varizes é a Trombose Venosa Profunda. Enquanto que na cirurgia tradicional o risco de Trombose Venosa Profunda é de 5%, na Cirurgia Endovascular por Radiofrequência pode chegar a 16%, na Cirurgia Endovascular a LASER pode chegar a 8%, na Escleroterapia com Espuma Ecoguiada é de apenas 1 a 3%. Portanto, a complicação na Escleroterapia com Espuma Ecoguiada é inferior aos outros métodos. Além disso, a escleroterapia com espuma é mais barata, muito mais simples de se realizar, sem necessidade de afastamento das suas atividades de rotina. Outras complicações:

1. Edema (inchaço).
2. Manchas escuras no local (hematomas).
3. Hiperpigmentação (manchas mais escuras que o tom da pele).
4. Distúrbios da sensibilidade da pele.
5. Alergia cutânea.


Qual a eficácia e evidência científica do Tratamento de Escleroterapia com Espuma Ecoguiada?
A eficácia com uma única sessão é de 60 a 80% de oclusão venosa na escleroterapia com espuma. Em 3 sessões apenas a eficácia chega a 95%. A curto e médio prazo a taxa de recorrência foi de 20% e sempre se pode repetir o tratamento, tornando-o mais efetivo. As taxas de recidiva são muito parecidas com as outras técnicas, porém existe uma grande vantagem que a escleroterapia com espuma é muito simples de se repetir, não necessita repouso e é mais barata. Por muito tempo, o tratamento de varizes foi cirúrgico, porém com o desenvolvimento de técnicas endovasculares, particularmente a escleroterapia com espuma ecoguiada, houve uma mudança profunda desta situação. Para orientar esta mudança foram escritos diversos consensos de especialistas e guidelines no tratamento da escleroterapia com espuma ecoguiada.

Abaixo os principais Consensos:

- Consenso Europeu em Terngensee, Alemanha – Encontro de Escleroterapia com Espuma. Abril de 2003
- 2º Consenso Europeu em Tegernsee, Alemanha – Encontro de Escleroterapia com Espuma em 2006
- Consenso de Grenoble em 2012 na França
- Ultrassom Doppler no Tratamento da Insuficiência Venosa Crônica de Membros Inferiores- Consenso UIP. Parte 1. 2005
- Ultrassom Dopller no Tratamento da Insuficiência Venosa Crônica de Membros Inferiores = Consenso UIP. Parte 2: Anatomia. 2006
- Guideline da Sociedade Americana de Espuma. Cuidado de pacientes com veias varicosas associada à doença venosa crônica. 2011
- Guideline Europeu para escleroterapia na Insuficiência Venosa Crônica. 2013
- Guideline de Escleroterapia com Espuma nos Estados Unidos. 2013
- Guideline NICE para Escleroterapia de Veias Varicosas guiadas por ultrassom. 2013
- Consenso Europeu em Terngensee, Alemanha – Encontro de Escleroterapia com Espuma. Abril de 2003
- 2º Consenso Europeu em Tegernsee, Alemanha – Encontro de Escleroterapia com Espuma em 2006
- Consenso de Grenoble em 2012 na França